Como são produzidas as bebidas alcoólicas?

Há algum tempo, o pessoal do WineBags.com criou este infográfico divertido e didático sobre o processo de produção de vários tipos de bebidas, dos fermentados aos destilados.
Manjamos apenas da produção da cerveja, mas dá pra ter uma ideia bem bacana das demais:

Infográfico mostra como são feitas diversas bebidas

Agora, acompanhe o processo de produção da tequila neste vídeo do Jacaré Banguela:

Gourmet Visita: Cervejaria Happy Brew

Continuando o convite feito pelo Hangar 51 para visitar as cervejarias presentes no Rocktobierfest, fomos até a Happy Brew, na zona industrial de Sorocaba!

E se a Bamberg representa a nova cerveja brasileira, com ingredientes de qualidade e prêmios internacionais, a Happy Brew vem pra mostrar a força do cervejeiro caseiro, que cria ótimas cervejas, a ponto de começar a produzi-las em larga escala!

Rótulos da Happy Brew, na caixa especial da cervejaria

Como nos contou o proprietário, Bruno Cenci, a HB começou no quintal de sua casa, com equipamentos capazes de brassar apenas 20 litros por vez e muita experimentação nas receitas. Essa ousadia, comum a todo novato, gerou ótimas cervejas, que passaram a fazer sucesso nas festas e, consequentemente, nos bares amigos que recebiam seus barris. Até o ponto em que a demanda aumentou consideravelmente e o hobby virou negócio, com a necessidade de investimentos em maquinário e instalações de médio porte.

Cerveja da Happy Brew sendo envasada pelo método manual, direto da chopeira para a garrafa, onde se mantém viva.

A Cervejaria, hoje, tem capacidade para produzir 11 mil litros de chopp (servidos nos barris ou nas novas garrafas, onde a cerveja se mantém viva, sem pasteurização e com muito mais frescor), divididos entre seus 4 rótulos:

• Happy Pilsen
German Pilsner bem suave e aromática, leva os maltes Agrária e Weyermann na receita, além de não ser filtrada, o que a torna mais turva e saborosa. Como contraponto às pilsens tradicionais, é uma boa pedida!

Malte direto da sala de moagem, na Cervejaria Happy Brew

• Happy Wit
As cervejas Witbier estão entre as mais refrescantes mundo afora! Não é meu estilo favorito, por levar trigo na receita, além da cevada, mas é das mais indicadas para aplacar o calor dos últimos dias. A da HB também é mais turva, tem baixo ABV (teor alcoólico) e tem aroma frutado cítrico, pela presença da casca de laranja e coentro na receita. Provei-a direto da “teta da vaca” e é deliciosa.

• Cara Vermelha
Esta Vienna Lager é uma das cervejas preferidas do público da Happy Brew, pela sua cor avermelhada, aroma floral e corpo médio. Vale a pena conhecê-la, pelo diferença que traz ao paladar acostumado com as cervejas tradicionais. Certamente, será uma das mais consumidas na Rocktobierfest!

• Surkba Pale Ale
Agora, chegamos ao meu estilo preferido: IPA! Lançada há pouco menos de um ano, a Surkba (pronuncia-se “surcaba”) é a aposta da Happy Brew no universo das Indian Pale Ale. Já conhecida da galera que frequenta o Hangar 51, tem no amargor do lúpulo seu trunfo, ainda mais quando tirada direto do tanque, como na foto:
Chopp Surkba, da Happy Brew, saindo direto da teta da vaca

Agora, é hora de escolher a sua preferida! Se quiser saber mais, leia também nosso post sobre a Cervejaria Bamberg!

Gourmet Visita: Cervejaria Bamberg

A convite do Hangar 51, que promoverá no próximo domingo a Rocktobierfest, versão rock n’roll da festa da cerveja alemã, fomos visitar a Cervejaria Bamberg, aqui pertinho da nossa cozinha, em Votorantim!

Visita do Gourmet de Araque à Cervejaria Bamberg

Como a Bamberg estará presente na festa com os 9 rótulos de seu portfolio (com exceção das sazonais), resolvemos apresentá-los, um a um. Se você está começando a se aventurar pelo universo das cervejas especiais, elas são um ótimo caminho, com sabores e estilos bem distintos.

Panela de brassagem

10+01 IPAs que você deve beber antes de morrer

1001 IPAs pra beber antes de morrer

Se você já bebe cervejas de verdade há algum tempo, vai me entender:  Demorei pra experimentar, comparar e, enfim, descobrir o meu estilo de cerveja preferido. E isso é bem comum, nessa jornada às cegas, onde cada novo rótulo tem um novo sabor e as diferenças não são tão claras como Coca X Fanta X Fanta Uva X Suco de caixinha X Suco Integral X Xarope de groselha X água.

Daí, só fui entender que IPAs fazem cócegas na língua depois de um bom tempo bebendo menos e bebendo melhor. E fizeram ainda mais sentido ao conhecer a história das cervejas Indian Pale Ale:

Por volta de 1790, as colônias britânicas estabelecidas na índia sentiam falta de um ingrediente essencial na sua dieta: a CERVEJA! Como era impossível produzir cerveja em terras indianas (por falta de água de qualidade, insumos e, também, pela alta temperatura ambiente), tentaram por muito tempo levar barris nos navios ou produzi-la durante a longa viagem, que durava de quatro a cinco meses. Até que, em Londres, George Hodgson teve uma ideia (ou não): fazer uma Pale Ale mais forte e amarga que as demais! O alto teor alcoólico, junto com a dose maior de lúpulo (que dá sabor e impede a proliferação de bactérias deteriorantes) preservariam a cerveja até a Índia. E, só pra garantir, antes de lacrar os barris nos navios, mais uma dose de lúpulo seco era acrescentada (criando o Dry Hopping!).

Daí, essa cerveja muito mais amarga e aromática era desconhecida na Inglaterra até que, em 1827, um navio que seguia pra Índia naufragou na Mar da Irlanda. Alguns do 300 barris resgatados foram leiloados em Liverpool e, subitamente, todos queriam mais dessa “cerveja indiana”!

E quase 200 anos depois, cá estamos nós, listando nossos rótulos preferidos! Como tudo nesse site, nossa opinião é relativa. Depois de provar mais de 70 IPAs diferentes, escolhi algumas que valem MUITO a pena experimentar! Vamos a elas (sem ordem de preferência):